quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Capa da Semana: Chico Bento Nº 216

Uma capa incorreta com o Nhô Lau dando tiro na árvore e flagra o Chico Bento escondido comendo as goiabas deles. Na certa já desconfiava que o Chico estava lá. Engraçadas as caras dos dois nela.

Capa dessa semana é de 'Chico Bento Nº 216' (Ed. Globo, Maio/ 1995).


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Tirinha Nº 51: Mônica

A força exagerada da Mônica sempre foi bem explorada nos gibis, principalmente em tirinhas. Nessa, o espirro da Mônica é tão forte que faz arrastar e sumir tudo o que estava na sua frente. Muito boa.

Tirinha publicada originalmente em 'Mônica Nº 19' (Ed. Globo, 1988).


domingo, 3 de setembro de 2017

Piteco: HQ "A Procura do Fogo"


Mostro uma história em que o Piteco precisou enfrentar homens de outra aldeia para conseguir levar fogo para a Aldeia de Lem. Com 7 páginas no total, foi publicada em 'Mônica Nº 45' (Ed. Globo, 1990).

Capa de 'Mônica Nº 45' (Ed. Globo, 1990)

Começa com um prólogo com narrador-observador explicando sobre a importância do fogo para os homens pré-históricos como comer churrasco de dinossauro, peixe assado, se aquecer no frio, afugentar animais perigosos entre outras coisas e o pior inimigo do fogo é a água.


De repente começa a cair um dilúvio na Aldeia de Lem, causando uma enchente braba que faz as paredes da caverna do Piteco rachar justamente aonde estava a sua tocha com o fogo. A água carrega tudo pela frente, causando uma enchente braba na região. Todas as cavernas ficam inundadas com seus moradores só com a cabeça de fora em cima d'água.


No dia seguinte, o dilúvio acabou e aparece a Thuga pedindo emprestado a tocha do Piteco porque o fogo da caverna dela apagou. Piteco diz que o dele acabou também e logo percebe que a aldeia toda estava sem fogo por causa do dilúvio. Então, Piteco resolve sair à procura de fogo em outra região.

Piteco, então, percorre caminho longo, subindo montanhas, nadando em rio, atravessando ponte com abismo até que consegue avistar fumaça e quando chega vê que eram três homens mal encarados de outra ladeia em volta de uma lareira . Piteco pede o fogo deles porque a aldeia deles ficou sem e um deles pergunta o que ganhariam com isso. Piteco diz que a eterna gratidão e eles falam que só se o Piteco der mil machadinhas.


Piteco diz que não tem essa grana, mas que pode conseguir o fogo na marra e parte para brigar com os homens. Como eram 3 contra 1, Piteco acaba perdendo a briga e eles ainda jogam o Piteco em cima da fogueira fazendo com que queime a sua bunda. Piteco sai em disparada com fogo saindo na sua bunda, mas apesar de tudo ele aproveita para colocar o fogo em um graveto que encontra no caminho e consegue levar para sua aldeia.

No final, Piteco chega à Aldeia de Lem e Thuga o chama para ver o que o garoto Quico descobriu assim que o Piteco saiu. Era só juntar uns gravetos, pegar 2 pedras e bater uma na outra que eles conseguem o fogo que quiser e Piteco chora porque se aventurou e enfrentou vários perigos à toa.


Uma história legal mostrando como o fogo era importante pro povo de Lem e como fez falta para eles depois de um dilúvio. Piteco passou grande sufoco enfrentando os homens da outra aldeia. Era comum histórias assim com Piteco líder, precisando enfrentar perigos para ajudar ao povo de Lem. E ainda foi informativa explicando sobre fogo.


A Pré-História do Piteco era bem moderna com várias coisas do mundo atual só que adaptadas à Pré-História, como nessa que dinheiro deles era machadinhas. Invenções à frente do seu tempo e que  nas histórias seriam exclusivas criadas por eles. Antes qualquer um podia inventar coisas em Lem sendo que o Piteco era quem mais inventava e a partir de 2007 esse serviço ficou exclusivo ao Beleléu, personagem criado em 1980 que ficou esquecido por muitos anos e foi voltou em forma definitiva a partir de então. 


Teve detalhe do título só aparecer na segunda página da história, com a primeira aparecendo narrador observador explicando sobre o fogo. Era comum isso de narrador na história com um prólogo pra entender melhor a história antes de começar, além de títulos aparecerem em qualquer parte da história, desde no meio da primeira página e às vezes o título aparecendo só final. Ela teve seus momentos incorretos com personagens sofrendo com dilúvio e enchente, Piteco com bunda queimada pelo fogo, o que dificilmente fariam história assim atualmente.


Os traços muito bons e caprichados, os homens até que seguiram um estilo diferente da MSP. Pena que dessa vez não apareceu prego na clava do Piteco. Embora prevalecia na época o prego na clava. mas uma vez ou outra não aparecia, de acordo com desenhista. As cores ficaram bacanas e gostava os gibis com papel oleoso como foi esse da Mônica. Mudavam sempre as cores e papéis na Editora Globo, algumas vezes pra melhor, outras para pior.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Capa da Semana: Cascão Nº 33

Uma capa com o Cascão em apuros com seu anjinho da consciência querendo que ele tome um banho de chuva puxando pela bochecha e o seu diabinho da tentação querendo que ele tome banho no caldeirão fervente puxando pela orelha. Fica sendo aquelas capas do leitor imaginar a sequência da cena, inventar como foi que o Cascão saiu daquela enrascada. Era comum capas assim para soltar a imaginação.

Capa dessa semana é de 'Cascão nº 33" (Ed. Globo, Abril/ 1988).


sábado, 19 de agosto de 2017

Uma história com humor do Horácio

Mostro uma história do Horácio voltada para o humor onde uma interpretação mal feita piorou a situação do Tecodonte. Com 1  página, foi republicada em 'Almanaque da Magali Nº 3' (Ed. Globo, 1990).

Histórias do Horácio sempre foram marcadas pelo lado filosófico e de reflexão, principalmente as de 1 página de tabloides de jornais que depois eram republicadas nos gibis convencionais. Enquanto as dos anos 70 mais longas eram mais de aventuras, as dos anos 80 de 1 página tinham seu lado filosófico.

Nessa história, escrita por Mauricio de Sousa, Horácio encontra Tecodonte com pedra nos rins e sugere ao amigo tomar chá de erva Quebra-Pedra. Mas por ter falado só "quebra-pedra", ficou a má interpretação e acabou o Tecodonte quebrando pedras 2 dias sem parar e piorando a sua dor nos rins pelo esforço que fez ao quebrar as pedras.

Além de ter a sua piada, Mauricio quis ensinar como uma interpretação mal feita pode fazer toda a diferença. Horácio continuou com sua sabedoria típica de sua personalidade, foi Tecodonte o responsável pela piada por não saber interpretar o que o Horácio falou. E ainda ensinou os leitores um bom remédio natural pra quem sofre de pedra nos rins, ou seja, ainda foi informativa.

Os traços bacanas, bem típico dos anos 80. Na verdade foi tabloide de jornal que depois saiu em algum gibi da Editora Abril dos anos 80 e depois republicada nesse 'Almanaque da Magali Nº 3'. Abaixo, essa história de 1  página.