terça-feira, 22 de abril de 2014

Magali Nº 3 - Editora Globo


Em abril de 1989 chegava nas bancas de todo o Brasil o gibi da 'Magali Nº 3'. Nessa postagem eu comento como esse gibi tão especial que marcou época, só com histórias clássicas e de alta qualidade.

O gibi ainda era mensal, com 36 páginas. A capa é maravilhosa, muito bem desenhada e com uma piada envolvendo metalinguagem, mostrando a Magali tentando pegar a maçã do seu título, mesmo com tantas frutas para comer. Nela tem uma faixa anunciando que o concurso "Ganhe um gatinho de verdade" para escolher o nome do gato da Magali e concorrer a um de verdade continuava a todo o vapor. O concurso começou na edição "Nº 2" e nessa também tinha um cupom para o leitor enviar a sugestão do nome do gato e os dados. Já falei um pouco melhor dessa promoção aqui.

Essa edição teve 5 histórias, incluindo a tirinha final. A história de abertura foi a clássica "O controlador de apetite", com 12 páginas no total. Começa com o Dudu e sua mãe no consultório de um nutricionista, Doutor Onto, que receita um poderoso estimulador de apetite ao Dudu para dar vontade de comer nele. Logo após a consulta dele, é a vez da Magali se consultar para diminuir seu apetite.

Trecho da HQ "O controlador de apetite"

O Doutor Onto receita um controlador de apetite para Magali, porém ele se engana e entrega o estimulador de apetite que havia dado pra o Dudu. Ao tomar o remédio em casa, Magali sente o efeito na rua e passa a devorar tudo que encontra pela frente, de uma forma avassaladora. Ela come uma árvore inteira, toda a lanchonete, inclusive as paredes, e ainda tenta comer o Sansão. Com isso, Mônica amarra a Magali em uma árvore para não comer nada enquanto chama a mãe dela. Nisso, Cebolinha e Cascão a encontram amarrada e a soltam, pensando que a Mônica estava louca em deixá-la lá só porque come demais. Ao soltarem, Magali foge e come todo o supermercado e passa a comer capim, tudo de forma descontrolada.

Trecho da HQ "O controlador de apetite"

Assustados da Magali comer o mundo inteiro, eles correm e se esbarram com a Mônica, Dona Lili e o Doutor Onto, que estavam a procurando, e descobrem que ela estava comendo o milharal. Enquanto o nutricionista avisa que o efeito passaria dentro de 6 horas, Magali passa a comer a página da história. Todos ficam desesperados com o fato dela comer o gibi todo e o que será dos leitores se ela for parar no mundo real. Até que Mônica encontra uma solução: adianta o relógio em 6 horas e, com isso, passa o efeito do remédio e Magali passa a cuspir o papel da página. Afinal, eles estão em uma história em quadrinhos e tudo pode acontecer.

Tudo resolvido, o Doutor Onto entrega o controlador de apetite certo, mas a Dona Lili desiste de interferir no apetite da filha e resolve pagar sorvete para todo mundo. No final, Dudu surge na sorveteria que eles estão e conta que tomou um estimulador de apetite, mas não deu certo. A Dona Lili fala que a Magali tomou um controlador de apetite e quando o Dudu pergunta se deu certo, ela responde que não funcionou, já que ela estava tomando 5 taças de sorvete sozinha.

Trecho da HQ "O controlador de apetite"

Sem dúvida, uma história excelente, mostrando o lado absurdo do apetite da Magali, que só acontece no mundo dos quadrinhos mesmo. E a metalinguagem de ela comer as páginas da história foi um marco. A mãe do Dudu nessa história foi chamada de dona Dina e na história "Para abrir o apetite" da "Nº 2", de "Dona Lina". Ela não tinha nome definido ainda e só depois que passou a se chamar Cecília. Acredito que se republicassem novamente, alterariam "Dona Dina" para "Cecília". E o nutricionista Doutor Onto só apareceu nessa história.

Depois dessa, veio a história "Batatas fritas", em que conhecemos a Juliana, uma menina que só comia batata-frita. Ela não aceitava nem que as batatas fossem assadas ou cozidas, apenas fritas. E aonde ela vai, só come batata-frita. Até que um dia, foi almoçar na casa da Magali e, a principio, continuou enjoada, recusando o peixe, macarrão e salada servidos. Só que ao ver a Magali comendo tudo aquilo com entusiasmo, Juliana resolveu experimentar e gostou, comendo tudo e a partir de então deixando de ser enjoada para comer. No final, Magali fica braba, reclamando que se soubesse não teria convidado e vai na lanchonete pra comer... batata- frita!

Trecho da HQ "Batatas Fritas"

Acho essa história bem divertida que ainda tem a sua lição de moral para aqueles que são enjoados de comer, que fala que não gosta de determinados alimentos e nem sequer experimentou. Só pra constar, essa menina Juliana só apareceu nessa história.

A seguir, foi a vez da história "Banho de gato". Nela, Magali acha que o gato está sujo e resolve dar um banho nele. O gato se desespera, já que só toma banho de lambidas, e foge correndo, falando que em matéria de banho, ele e o Cascão têm a mesma opinião, e, então, passa sufoco, como encontrar e ser perseguido por um cachorrão em um beco e encontrar um outro gato quando se esconde dentro de uma lata de lixo. Após perder a luta com o outro gato, se depara com o cachorrão de novo e se esconde em cima de uma árvore.

Trecho da HQ "Banho de gato"

O cachorro vai embora e o gato não sabe descer da árvore e começa a miar. Cebolinha e Cascão o vê lá em cima e chacoalha a árvore e ele cai em uma lama, ficando todo marrom. Os meninos o levam para casa da Magali. Ela diz que ele está sujo, mas que não vai dar banho porque a mãe dela disse que os gatos tomam banho de lingua. Ele se lambe, enquanto fala que seria melhor tomar banho, porque o gosto do sabão seria melhor do que de lama.

Acho muito legal a história, com traços maravilhosos, do tempo que ele tinha pelos bem arrepiados, São os melhores traços dele. Tem ótimas tiradas, me divirto quando ele falou "Andei passeando por uns telhados da vida", ao Magali comentar que ele está sujo e "Adoro essa mulher", se referindo a mãe da Magali. E a cara dele se tornou mais engraçada ainda nessa cena. Muito bom.

Trecho da HQ "Banho de gato"

Histórias com ele na rua, contracenando com outros gatos e bichos eram muito boas. Acredito que se fosse republicada novamente, alterariam as partes da Magali falando "gatinho" para "Mingau". Tem um detalhe do Cebolinha falando "Droga!", que não é mais falada nos gibis atuais, trocando para "Bolas!", "Pindarolas!" ou até mesmo "Puxa!" (que foge do sentido original, inclusive).

Abaixo, o trecho dessa cena, que, inclusive, erradamente colocaram o Cebolinha falando certo. Uma pena ter um erro assim, mas até que com uma história tão boa como essa que passa até despercebido. Lembrando que o erro só saiu nesse quadrinho e no resto da história ele fala trocando as letras normalmente:

Trecho da HQ "Banho de gato"

A última história é a também clássica "Alimentando uma paixão", que marcou a estreia do Quinzinho, Tia Nena e Tio Pepo nos gibis. Aliás, a Tia nena já havia aparecido na história "O rapto da Tia Nena" de 'Mônica Nº 26', de 1989, em que a Tia Nena foi sequestrada por dois bandidos para que ela revelasse seus segredos culinários para eles. Porém, foi a primeira aparição dela em um gibi da Magali. Já Quinzinho e Tio Pepo foram as estreias reais.

Na trama, Magali fica pensativa ao comer o arroz-doce da Tia Nena e ela revela à tia que está apaixonada pelo Quinzinho, o filho do padeiro. Magali comenta que por mais que coma na frente do Quinzinho, ele nunca dá bola para ela. Tia Nena então ensina uma simpatia que ela fez pra conquistar o Tio Pepo. A Magali tinha que conseguir um fio de cabelo do Quinzinho e amarrar no dedo dela e ainda preparar um chá de folha de goiabeira, alho e rabanete e fazer com que ele toma à meia noite.

Trecho da HQ "Alimentando uma paixão"

Então, Magali vai à padaria e pede 12 pãezinhos a ele e comenta que o cabelo dele está muito bonito e pergunta se não tem medo de encontrar um fio de cabelo nos pães. Nessa hora ela arranca o fio dele. O pessoal da fila pensa que a Magali achou um fio de cabelo no pão e todos vão embora falando que não voltam mais comprar na padaria. Diante da confusão, Quinzinho fica brabo com ela e a expulsa tacando pães nela.

Magali fica feliz por ter conseguido o cabelo e prepara o chá. Espera chegar perto da meia noite e vai até a padaria. Chegando lá, está fechada e ela taca pedra na janela do quarto do Quinzinho que ficava em cima da padaria e acaba acertando uma pedrada na cabeça dele. Quinzinho desce para falar com ela e a Magali diz que fez um chá pra ele contra queda de cabelo. Ele fica receoso de tomar, mas bebe e acaba desmaiando, fazendo jus ao termo "tiro e queda".

Depois, passam uns dias e a Magali comenta a Tia Nena que o Quinzinho a perdoou e que está adorando o bolo de queijo que ela está levando todos os dias. Então, Tia Nena, confessa que fez várias simpatias pra conquistar o Tio Pepo, mas o que funcionou mesmo foi o seu famoso bolo de queijo.

Trecho da HQ "Alimentando uma paixão"

Uma história sensacional, cheia de situações incorretas, com criança mexendo com simpatia, Quinzinho trabalhando na padaria e levando pedrada, Magali mexendo com fogão, saindo sozinha à meia noite na rua. Esses detalhes é que faziam toda a diferença e se tornavam as histórias da época tão boas, mas atualmente tudo isso é inadmissível nos gibis e por isso é uma história impublicável.

A Tia Nena dava vestígios do seu dom para bruxarias, e muitos anos depois, ela se tornou bruxa realmente, só que uma bruxa do bem. A intenção de quando ela estreou era apenas ser a tia da Magali que faz os melhores quitutes da região e que vende pra fora. Curiosamente, no título colocaram "Turma da Mônica" em vez de "Magali". E depois dessa, ainda tinham histórias da Magali com outros namorados (ou pretendentes) e o Quinzinho só se tornou namorado oficial mesmo na edição "Nº 14". Nessa história, ele apareceu de cabelos alaranjados, mas depois foi para marrom, mudando as tonalidades, de acordo com as mudanças de cores de cada época. 

Também devem ter reparado nas imagens, propagandas da ração "Gatsy" (que patrocinava o concurso do nome do gato da Magali) na lateral direita vertical em várias páginas da revista, aparecendo nas histórias "Banho de gato" e "Alimentando uma paixão", sempre nas páginas ímpares. Era um artifício das editoras Abril e Globo inserir propagandas nas histórias, seja dentro das histórias, ocupando espaço dos quadrinhos finais, ou nas laterais. Era muito comum isso.

Cupom da promoção "Ganhe um gatinho de verdade"
  
E o gibi termina com a tradicional tirinha no final do expediente, muito engraçada por sinal. E com o logotipo igual ao que saiu no pocket 'As Grandes piadas da Magali Nº 5' (Ed. Globo, 1987), e muitos pensavam que o logotipo seria assim quando o gibi foi lançado.

Tirinha da edição

Em 2007, esse gibi "Nº 3" foi relançado na Coleção Histórica, e, assim como outros volumes da coleção, as propagandas foram omitidas, colocando comentários do Paulo Back no lugar e os tons de cores foram recoloridos totalmente diferentes da original. Mas a pior coisa forem omitir a faixa da  promoção do gato na capa, redesenhando as frutas no lugar da faixa. Ridículo.

Como podem ver, esse gibi da 'Magali Nº 3' foi sensacional, só com histórias clássicas e de alto nível e traços excelentes em todas. Era normal na época, todas as histórias serem boas, mas esse gibi esse torna especial por todas serem clássicas. Enfim, um gibi memorável e muito caprichado que sempre vale a pena relembrar.

40 comentários:

  1. Lendo esse post me deu vontade de procurar essa edição! Não sabia que era tão legal. Como já disse a fase Globo da turma não acompanhei, uns bem poucos, na verdade, mas agora tenho que ir atrás desse. Magnânima postagem, seu Marcos. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A turma na Globo teve muita coisa boa. Esse gibi da Magali foi um marco. Eu até podia ter falado só de 1 hq, mas são tão boas q falei do gibi todo.

      Tomara q vc consiga encontrar logo. Abraços

      Excluir
  2. OLá! Eu tive a número 2 original. Gostaria de ter a número 3 também. Parece uma boa revista. As histórias me interessaram muito. Não sabia que Tia Nena é um bruxa. Nunca vi esse lado nela, mas também, estou meio afastado do universo próprio da Magali.

    Acho que o desenho do Mingau varia de acordo com o desenhista.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os primeiros números da Magali foram bons. E esse nº 3 foi ótimo.

      No final dos anos 90, passaram a colocar a Tia Nena como bruxa e tiveram várias hqs assim. Achava melhor só como doceira.

      Os desenhos dos personagens variavam sim de acordo com o desenhista, mas considero os traços padrões e quando o Mingau estreou os traços padrões dele eram assim. Os traços atuais dele são feios.

      Abraços

      Excluir
  3. Porque você não faz uma matéria sobre a Mônica nº 1, o Cebolinha nº 1 ou sobre todos os números 1, também poderia fazer sobre os 200, 300, 400, 500 e 600. Tem um gibi que eu já tive e tinha um carinho especial por ele queria muito uma reportagem dele é a Mônica nº 110 (Globo)! Ficarei grato se utilizar algumas das minhas sugestões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raul, já fiz postagem dos nº 100, dos outros números redondos pretendo fazer tbm. Já as de nº 1, quando der faço tbm, assim como alguma hq da Mônica nº 110.

      Esse gibi da Mônica 110 já não daria pra ser inteiro pq tem muitas páginas, mas alguma hq dá sim.

      Excluir
    2. Eu já li a postagem do nº 100, muito boa por sinal. Esse gibi nº 3 da Magali eu tenho, mas pertence a Coleção Histórica, também tenho a história "Batatinha Frita" no Almanaque da Magali nº 39 (Panini Comics). Essa Mônica 110 eu achei muito boa, naquela época eu costumava a trocar as revistas nos sebo e acabei pegando, mais tarde a inteligência aqui mandou ela pro sebo novamente. Nunca mais vou em sebo. A propósito, eu criei um blog, mas não deve ter ficado bom, eu tenho uns cinco blogs, não sei porque isso tudo se ninguem visita, mas eu vou indo. :P

      Excluir
    3. Uma pena vc ter desfeito da Mônica 110, é muito legal esse gibi mesmo. Tomara q vc consiga encontrar d enovo. E pretendo falar de alguma hq desse gibi, sim.

      No blog tem q ter divulgação, no inicio relamente tem poucos acessos e aí tem q paciência. Se bem q 5 blogs eu nao daria conta rsrs.

      Excluir
    4. É uma pena mesmo. Cinco blogs é exagerado mesmo, acho que vou fundir tudo em um só, fica melhor!

      Excluir
    5. É o melhor q faz... coloca todos os assuntos em um só.

      Excluir
  4. Essa historinha,da Batata Frita,eu vi num Almanaque da Magali,da Panini,mas não lembro o número...Mas a hq é muito boa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa hq é muito legal. Lembro sim q foi republicada novamente em algum Almanaque da Magali recente, tbm não lembro o número, talvez o nº 42.

      Excluir
    2. Marcos, pra te ajudar um pouco, a HQ Batatas Fritas foi republicada no Almanaque da Magali # 39 (Panini, 2013), é porque você não tem o almanaque, porque todas as histórias do almanaque você tem nos gibis originais.

      Mas será que ela foi republicada em algum almanaque da Globo? Acredito que foi no Um Tema Só # 10 - Magali A Comilona (1995). Se você tem essa edição, foi nessa em que ela foi republicada?

      Então é isso, só tô passando aqui pra quebrar teu galho. Abraços!

      Excluir
    3. Valeu. E como vc já havia visto embaixo, a hq das Batatas Fritas saiu tbm nesse Um Tema Só # 10

      Excluir
  5. Depois eu comento a revista inteira,agora só devo fazer uma observação:
    Estranho,o Cebolinha no quadrinho fala "Droga!" com R.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Completamente estranho, nem me toquei na hora, fiquei mais atento ao termo droga que nem vi esse erro. O quadrinho todo o Cebolinha falou certo. Mas no resto da hq e do gbib ele fala errado normalmente. Valeu pelo toque!

      Excluir
    2. De nada.
      Como recompensa vc poderia me dizer se gosta do Wolverine.

      Excluir
    3. Ótimo,eu gostaria de fazer algumas perguntas sobre ele,eu preciso.

      Sobre a revista que vc postou,puxa queria ver essa história das batatas fritas completa.Algum dia vc pode postar?
      Até gosto um pouco dessas piadas que falam que eles moram nos gibis coisa assim.Mas adoro os absurdos como acelerarem a hora.
      Também achei estranho a mãe do Dudu com outro nome,eu sempre a conheci como Cecilia,porém falando a verdade eu demorei para descobrir pq não era todas as histórias que citavam o nome dela.
      Algumas coisas politicamente incorretas eu posso aceitar,mas não gostei da Magali indo para o fogão. Mas já me acostumei a ver o Quinzinho trabalhando.
      Li a história do "Rapto da Tia Nena" tranquilamente antes de saber que era a primeira aparição dela fiquei até surpresa quando descobri isso aqui mesmo,nesse blog.
      Também sempre achei que o Quinzinho dês de sempre era o namorado da Magali. E em um momento percebi que a nena é meio burrinha.
      Gosto do Mingau desse jeito.Talvez eu acharia estranho ele com outro traço.É questão de costume mesmo né.
      Acho que é só isso que eu tinha o que comentar.

      Excluir
    4. A hq da bata frita foi até republicada novamente recentemente no Almanaque da Magali nº 39, o roteiro é esse q comentei aqui. Imagens é q coloquei só essa, já q falei do gibi inteiro.

      Eu gosto tbm de hqs q eles sabem que estão em uma história em quadrinhos. A mãe do Dudu não tinha nome definido na época, foi recém criada, inclusive, por isso o nome diferente.

      Eu achei engraçado a Magali no fogão e ainda colocando o banquinho rsrs. É só os pais avisarem aos filhos q não podem mexer com fogão. A hq do Rapto da Tia Nena foi sim a estreia dela, q bom q vc soube aqui. O Quinzinho não era namorado fixo da Magali no inicio.

      Os traços novos do mingau acho feio, prefiro como dessa hq e os outros dos anos 90.

      Agora sobre o Wolverine, não sei muita coisa dele.

      Excluir
    5. Mas não tem como vc por as imagens todas das páginas completa como vc geralmente faz futuramente?

      Eu disse q não gosto das histórias em que eles sabem que estão num Gibi. Só gosto de alguns absurdos,como controlar o tempo.

      Algumas crianças são teimosas,muitos pais podem dizer para elas não fazer,ela vai acabar fazendo até se acidentarem,aí nunca mais.
      Mas quem sou eu para falar de pedagogia com vc :P

      Ué não sabe muita coisa dele? Droga! >_<

      Excluir
    6. A hq foi republicada pouco tempo e o pessoal do estúdio pode nao gostar. O máximo q poderia era mandar para o seu e-mail.

      Sobre o fogão, aí é questão de gosto.

      Excluir
  6. As histórias "Batatas fritas" e " O controlador de apetite" eu tive oportunidade de ler em um almanaque dos anos 90 que se eu não me engano tinha 160 páginas. Me lembro que gostava muito daquele almanaque e sempre lia e relia. Muito bom relembrar essas ótimas historias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi no Coleção Um Tema Só nº 10 - Magali a comilona", de 1995. Muito bom esse almanaque, com hqs dos primeiros números da Magali e tbm as da Editora Abril. Histórias maravilhosas.

      E esse almanaque era do tempo q tinha 196 páginas. Depois, foram diminuindo o número d epáginas ao longo dos anos pra 160 :(

      Excluir
    2. É, Marcos, dentre essas duas histórias, só conhecia a HQ Batatas Fritas que foi republicada novamente e recentemente no Almanaque da Magali # 39 (Panini).

      Excluir
  7. Respostas
    1. A capa é maravilhosa, quando realmente eram criativos.

      Excluir
  8. Respostas
    1. Natália, eu diria 99% perfeito, só não foi completo por causa do Cebolinha falando certo no quadrinho da hq do Mingau. Com o detalhe q a hq é tão boa q ficou despercebido isso e nunca havia reparado até hj. Fora isso, qualidade das hqs, excelente.

      Excluir
  9. Gibi magnífico hein! Gostei de ler a resenha, e coincidentemente encomedei a CHTM N°3 essa semana. Sem dúvidas não é a mesma coisa que esse original, mas espero que possa me divertir. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza a original é melhor, mas dá pra quebrar o galho com a versão da Coleção Histórica, pelo menos nesse número não alteraram o gibi da Magali em relação ao conteúdo das hqs...

      Vc vai se divertir a beça com essa edição da magali e os outros da Coleção Histórica.

      Excluir
  10. Capa ótima, abertura ótima. Tudo muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma edição excelente. Vale a pena.

      Excluir
  11. Grande Marcos! Gibi clássico, capa clássica, HQs clássicas, propagandas clássicas, tirinha clássica, NÃO!, O GIBI INTEIRO É UMA OBRA-PRIMA!

    Mas você podia me ajudar com uma coisa. Esses dias tava lembrando essas HQs do gibi, inclusive O Controlador de Apetite e Batatas Fritas, com um gibi que não tenho, mas que não deixa de ser bom: É o Um Tema Só # 10 - Magali A Comilona de 1995.

    Cara, quero que você me ajude, porque não tenho essa edição, então não sei quais HQs da Magali que foram republicadas nesse Um Tema Só. Mas acho que nesse almanaque foi assim: Nele, foram republicadas as HQs dos primeiros números do gibi da Magali de 1989, além de algumas de 1990, já que nessa época, era permitido republicar HQs até 1989/1990 e acho que também republicaram HQs da Magali da época da Ed. Abril, mas além de HQs da Magali, creio que também republicaram HQs do Bidu, Penadinho, Tina, Pipa, Rolo, Astronauta, Chico Bento, Piteco, Horácio, Turma da Mata, Jotalhão, Papa-Capim e muitos outros personagens, sendo que a maioria delas falava sobre comida.

    Bem, eu acho que o almanaque inteiro é assim, pois não tenho ele, mas você deve ter. Então, diga se as HQs que inventei estão nesse almanaque, diga se o que eu disse tá certo e fale de algumas HQs da Magali que você sabe que republicaram nesse almanaque. Enfim, fale do almanaque INTEIRO, OK? Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá na cara q vc tem né? Se não como ia saber dessas republicações e do almanaque inteiro. Ele é assim como vc descreveu.

      Excluir
    2. Aliás, Marcos, não sei bem, mas acho que desde primeira edição de Um Tema Só, de 1992, que era o Mônica Superaventuras, além de terem HQs com o tema, também tinham HQs que não tinham nada a ver com o tema, mas que eram de outros personagens. Tá certo isso?

      Você sabe me dizer em qual edição de Um Tema Só que pararam de republicar HQs de outros personagens e só do personagem principal? Ou será que continuaram até no Almanaque Temático da Panini? Abraços!

      Excluir
    3. Ah, foi na Globo mesmo, mas não lembro a partir de qual edição q pararam com isso.

      Excluir
  12. Olá, Marcos! Dessa vez eu vim pra lhe comentar uma:

    Na HQ Banho de Gato da postagem, o Cebolinha fala certo e fala "Droga!" no gibi original, mas se ela fosse republicada de novo, acho que ficaria tipo assim: "Bolas! Como vamos "tilá-lo" daí? A "álvole" é muito lisa!", porque até que gosto desses erros nas histórias da Globo e na Abril, mas acho que atualmente, deveria mudar o R pelo L.

    E mais: Acho que além de mudarem a fala do Cebolinha, iriam mudar o nome "gato" para Mingau, pois ele já tem seu nome desde julho de 1989, como foi revelado em Magali # 6.

    Mas ainda bem que eu disse "se ela fosse republicada de novo", porque eu não faço ideia se ela já foi republicada em algum almanaque da Globo. Mas, e você? A HQ Banho de Gato foi republicada num almanaque da Globo? Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Começou a sua paranoia de republicações em almanaques hein? Essa foi republicada, sim em algum Almanaque da Magali da Globo, por volta de 1994/ 95, mas não lembro em qual.

      Excluir