quarta-feira, 25 de março de 2015

Chico Bento: HQ "Chico açougueiro"

Mostro uma história muito engraçada de quando o Chico Bento trabalhou em um açougue por um dia, causando muitas confusões. Ela tem 9 páginas no total e foi a história de abertura publicada em 'Chico Bento Nº 93' (Ed. Globo, 1990).

Capa de 'Chico Bento Nº 93' (Ed. Globo, 1990)

Chico Bento está na fila do açougue da vila e quando chega a sua vez pede ao açougueiro, seu Joaquim, um quilo de alcatra para pendurar. O açougueiro corta e pesa a carne e pendura no mostruário. Chico fala que era para vender fiado. Seu Joaquim diz que entendeu muito bem, que só vende fiado lá só ano que vem.


Chico diz que não pode esperar tanto tempo. O açougueiro responde que é para ele buscar o dinheiro e o Chico diz que o pai dele só vai ter dinheiro daqui a 2 dias, depois de vender a colheita. Seu Joaquim, então, manda voltar daqui a 2 dias e ao ir embora, Chico fica triste porque vai ter que comer verdura outra vez.

Seu Joaquim fica com pena e propõe um acordo: como precisa ir ao banco, pede ao Chico tomar conta do açougue e que na volta dar as carnes de graça. Fala que é só atender aos fregueses e pesar as carnes, que já estão cortadas. Chico aceita e já no balcão com chapéu e avental do açougueiro, só pensa nos bifes gostosos que vai comer.


Chega a primeira freguesa, que pergunta se tem contra-filé. Chico responde que lá todos são a favor de filé e carne, porque se fosse contra o filé, o dono não abriria o açougue. A freguesa não gosta da resposta e pergunta se o patinho está bonito. Chico responde que está lindo, que dá gosto e está nadando muito bem. A freguesa estranha patinho nadar e Chico pergunta a ela que como sabe que a pata Gertrudes dele teve patinho. A freguesa se irrita, gritando que é a carne patinho. Chico diz que lá não vende carne de pato, só vaca e porco e ela vai embora.


Em seguida, chegam novos fregueses, agora um casal. Chico pergunta o que desejam e o homem quer dois quilos de coxão duro. Chico não entende e diz que não tem isso no açougue. Com isso, a mulher pergunta se tem coxão mole e Chico diz que está gozando dele porque lá é açougue e não loja de colchão, mandando ver a placa lá fora. A mulher pergunta se tem picanha, cupim e lagarto e Chico diz que não, que lá só tem carne. Então, ela pede 2 quilos da carne que tiver.


Chico separa e pesa e pergunta se quer que ele embrulhe. Nisso, a mulher pergunta se as mãos dele estão limpas, já que vê que está sem luvas. Chico diz que sim porque sempre lava de manhã antes de cuidar dos porcos (ou seja, ele lava antes, mas não lava depois de mexer com os porcos). O casal faz cara de nojo e vão embora sem levar a carne e Chico diz que o Seu Manoel tem que escolher melhor a freguesia porque lá só aparece doido.


A partir daí, a história tem uma reviravolta e mostra 2 bandidos, chamados Gordinho e Magrão, que acabaram de assaltar o banco da vila, prendendo todos no banheiro do banco e resolvem assaltar justamente o açougue onde está o Chico. Magrão manda o Chico passar a gaita e ele se lamenta que são mais outros clientes doidos, e afirma que lá só vende carne. Ele aponta a arma para o Chico e diz que não não é pra comprar. Chico diz que o seu Joaquim não gosta de fiado, mas se quiserem, fala com ele.


Magrão manda Gordinho roubar a grana da caixa e depois de roubar, Gordinho resolve levar carne também. Ele não sabe escolher qual a melhor para churrasco e aí o Magrão manda o Chico escolher a carne. Chico pega uma carne e pergunta se está boa. Magrão diz que está e Chico surpreende tacando a carne na cabeça dele e desmaia. Gordinho tenta fugir, mas o Chico não perde tempo, faz um laço com a linguiça e consegue prendê-lo.


Nessa hora, aparece o seu Joaquim, se lamentando que bandidos assaltaram o banco e levaram todo o dinheiro que ele ia depositar. Quando vê, eles estavam lá no açougue presos pelo Chico. Seu Joaquim fica feliz, abraça forte o Chico, que fala para se acalmar, senão vira carne moída. Logo depois, aparece jornalista para entrevistar o seu Joaquim e pergunta se o Chico usou os músculos para derrotar os bandidos. Seu Joaquim responde que usou bife e linguiça. Nessa hora, Chico se despede do Seu Joaquim para ir para casa, mas antes seu Joaquim entrega 10 quilos de carne a ele, como recompensa.

No final, já á noite em casa, a mãe do Chico, dona Cotinha, serve um prato cheio de carne a ele, mas ao lembrar que prendeu os bandidos com bife e linguiça, dispensa e resolve comer só verdura, falando que estava cheio de carne.


Sem dúvida, uma história sensacional, é de rachar de rir com as "gags" do Chico Bento, os trocadilhos. Mostra o lado ingênuo, lerdo e retardado do Chico, com ele levando tudo ao pé da letra, do jeito que a gente gostava. E também o fato de  ele não lavar as mãos depois de cuidar dos porcos foi hilário.

Nessa época, eles gostavam de colocar bandidos nas histórias. Apareciam muito, às vezes em situações que a gente nem imaginava que iriam aparecer, surgindo do nada, nem que sejam em participações rápidas, para dar ação nos roteiros. E interessante que costumavam vir em dupla, muitas vezes um magro e outro gordo, sendo o magro o líder deles. E essa história foi mais um exemplo disso.


Os traços ficaram excelentes também, como sempre na época. Na postagem a coloquei completa. Ela é totalmente impublicável, não só pela presença dos bandidos  e apontarem arma para o Chico, mas também pelo fato do Chico estar trabalhando e nas histórias atuais as crianças não podem trabalhar. Porém, isso também era comum na época, tiveram histórias com o Chico trabalhando na roça com o pai e também sendo feirante, ou com barraca vendendo peixes na rua, entre outros.

Só para constar, o açougueiro português seu Joaquim só apareceu nessa história e até lembra um pouco o seu Quinzão, pai do Quinzinho. Provavelmente, foi até uma inspiração para criá-lo, já que ele estreou em 'Magali Nº 48', de 1991, na história "Tudo que você quiser".

14 comentários:

  1. Que capa divertida e a HQ nem se fala...não tinha lido antes...valia um almanaque essa HQ ai...desenhoso caprichados e com ladrões, armas..acho que hoje em dia colocaria lagostas no lugar...kkkkkkkkkk, abçs Xandro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk... colocariam lagosta, megafone, ou sei lá o q dá pra inventar e estragar as hqs. Dificilmente republicariam e até espero mesmo q não para não esculachar com alterações q fariam. Sem dúvida, uma hq fantástica e a capa muito boa tbm. Abraços

      Excluir
  2. Nossa! Muito boa essa história! Me matei de rir, dele não entendendo os nomes das carnes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito engraçada. Eu tbm rachei de rir. Adorava essas hqs com o Chico retardado, cheio de trocadilhos e se passando por bobo. Eram ótimas.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Legal q vc tem, Bruno. Muito boa essa hq.

      Excluir
  4. Também tenho essa edição, e também tenho essa história num almanaque, acho que de 2002, realmente hoje não publicariam essa história, tanta frescura hoje em dia, ainda bem que temos os sebos pra gente se deliciar com as edições antigas da nossa época, kkkk. Também gosto muito desse traço, é bem nostálgico. Valeu pela postagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece q essa foi republicada por volta de 2002 a 2003. Era interessante q na época, eles não produziam hqs novas incorretas, mas republicavam normalmente nos almanaques, sem alterações. Hj, hqs incorretas assim ou nunca mais são republicadas ou fazem alterações toscas q estragam com as hqs. Sem dúvida, os sebos são os melhores pra conseguir gibis com hqs de qualidade.

      Esses traços são excelentes, muito nostálgicos mesmo. E o roteiro, nem se fala. Valeu!

      Excluir
  5. Marcos, tudo bem?

    Também sou a favor do filé, desde que não tenha aquela capa de gordura, mas aquilo fica mastigando eternamente como um chiclete salgado. Argh!

    Brilhante essa HQ. Até parece aquelas da Abril, desprovida de preocupações politizadas e mais valai mesmo era mostra o personagem e o que acontecia no seu dia a dia. Está aí uma HQ que gostaria de ver republicada, mas sem alterações, pois provavelmente fariam algumas, mas, se fizerem, tiram todo o espírito da coisa. Ah, Ah, Ah, Ah! Chico Bento no açougue "é osso"!

    Abraços e obrigado por me divertir tanto com essa história. Tudo de bom!

    Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, sem dúvida essa hq é hilária. As hqs da Globo naquela época eram assim, seguindo esse nível, sem preocupação com o politicamente correto. Eram iguais as da Ed. Abril.

      Se republicassem novamente, com certeza teriam alterações. Mas só o fato do Chico estar trabalhando, acho dificil nova republicação. E pra mudar as coisas, q não republiquem. Pra ver essa hq em almanaque, só procurando nos sebos o almanaque q ela foi republicada lá em 2002/ 2003.

      Legal q vc gostou. Tudo de bom pra vc. Abraços

      Excluir
  6. Marcos, parabéns pelo seu blog, que talvez seja o primeiro a analisar toda a obra do mestre Maurício de Sousa. Também sou colecionador e tenho essa edição do Chico Bento. Essa HQ de abertura é muito engraçada e o traço é ótimo. Com relação à Turma da Mônica prefiro as hqs antigas, principalmente a fase da ed. Abril. 👍

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rodrigo, q bom q gostou do blog.

      Legal q vc tem esse gibi, essa hq é muito hilária. Eu tbm gosto das antigas, bem melhores q as dos gibis novos.

      Excluir
  7. Se forem republicar, vai ser alterado as armas, vão apontar só o dedo pro chico. Ia ficar terrivel por causa do politicamente correto. Ia estragar tudo. Odeio o PC (Politicamente correto) Era isso que fazia as estorias legais e divertidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida era melhor sem politicamente correto. Se forem pra mudar, que não republiquem mesmo

      Excluir