domingo, 26 de fevereiro de 2017

Uma história de carnaval com o Astronauta



Mostro uma história de quando o Astronauta pensou que extraterrestres invasores eram  pessoas fantasiadas. Com 5 páginas no total, saiu originalmente pela Editora Abril em 1983 e foi republicada em 'Almanaque do Cebolinha Nº 11' (Ed. Globo, 1990).

Capa de 'Almanaque do Cebolinha Nº 11' (Ed. Globo, 1990)

Astronauta estava chegando na Terra no carnaval, quando vê 2 extraterrestres com armas na mão prontos para invadir a Terra e pergunta qual a missão deles. Os ETs falam que precisam estar na Rua Quatro, número cinco, às sete horas e que vão a um baile à fantasia e então tiram as máscaras e Astronauta vê que é um casal e fica envergonhado com a mancada que deu.


Enquanto isso, uma nave aterriza na Terra e dessa vez eram Ets de verdade querendo tomar a Terra como base espacial deles e teriam que se livrar dos terráqueos. No caminho, encontra Astronauta e ele pensa que os ETs eram o casal que queria ir ao baile à fantasia e pergunta se perderam o caminho.


Astronauta leva os ETs ao baile e eles estranham o barulho grande la dentro. Quando entram vê todos fantasiados e falam que pensavam que os terráqueos eram mais bonitinhos e pacíficos. Pensam que um vampiro está devorando a mulher quando estão se beijando e também um índio está torturando a mulher, quando na verdade estavam dançando. Os ETs se assustam, pensando que os terráqueos não eram hostis e não dava para invadir a Terra porque as armas deles não iam dar nem par ao começo e vão embora com medo.


Astronauta vai atrás deles e se encontram com o casal fantasiados de ETs e pensa que eles resolveram voltar pra festa. O casal diz que estavam chegando agora. Astronauta diz que impossível porque levou o casal para o baile agora, mas logo olha para o céu com a nave voando no céu e ai se dá conta que tinha levado ETs de verdade para o baile e desmaia, terminando assim.


Uma história legal com o Astronauta se confundindo extraterrestres com casal fantasiados. Interessante a mesma fantasia era a forma dos ETs. Ele podia ter reconhecido pelas vozes diferentes, mas como é história em quadrinhos dá pra levar. É incorreta, logicamente, pelo fato dos personagens aparecerem com armas na mãos. Mais uma vez o título da história só com o nome do Astronauta, como era de costume.


Os traços muito bons, bem típicos da época. Na postagem a coloquei completa. Interessante no inicio colocarem o ano terráqueo e também o ano solar que correspondia. Essa história depois foi republicada novamente em 'Coleção Um tema Só Nº 13 - Mônica Carnaval' (Ed. Globo, 1996) e nas 2 republicações foram mantidas o ano, sem alterações, como era de costume na Editora Globo não mudar.

Capa de 'Coleção um Tema Só Nº 13 - Mônica Carnaval' (Ed. Globo, 1996)

25 comentários:

  1. adorei a história autor corrija o erro na capa de 1996,vc colocou zero no lugar do parenteses..........mas enfim,esse estilo faz falta pra nós fãs antigos,se fizessem um almanaque tematico sobre carnaval,eles alterariam muitas histórias antigas.......ah se fosse eu que escrevesse e desenhasse essas histórias eu jamais permitiria alterações nelas,obviamente vc tbm não...#milbeijinhospravc <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza ele siam mudar muito histórias de carnaval, tudo pra se adequar oa politicamente correto. Nessa mesmo, se republicassem agora, turariam as armas dos personagens. Era tão bom quando não mudavam nada nos almanaques. Fiz a alteração da legenda no final. Valeu por avisar. Bjss

      Excluir
  2. Eu tenho este do coleçao um tema so, recomendo ele pra qualquer um excelente gibi.Agora o verdadeiro astronauta esta na hq acima por que ate isso a msp fez questao de estragar com o politicamente correto,comprei o gibi do cebolinha do mes de fevereiro deste ano e o astronauta ta sem o uniforme e sem seu fiel amigo o computador,alem dele dizer q nao luta mais com os viloes e so conversa pra chegar em um acordo,decepcionante isto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde já se viu, conversar com os vilões pra entrar em acordo amigável em vez de lutar como fazia. Não dá pra entender. Realmente tudo tá mudado na MSP. Todos os personagens tiveram as suas mudanças, infelizmente.

      Excluir
  3. Muito bem bolada essa HQs...tenho esse almanaque do cebolinha na coleção..ah, como queria esse da Mônica Carnaval tem que nunca foi na coleção da E. Panini... :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, esse tema não colocaram na Panini. Mas com tanta coisa incorreta muito difícil colocarem de novo.

      Excluir
  4. OLá! É, na HQ dá pra brincar com várias coisas. E o fato da voz ser diferente é um pensamento que a gente tem mesmo, mas depois pensamos "é só uma HQ" e este é um dos meios onde vemos as vantagens de uma HQ ser o que é. Não precisa se preocupar com muitas explicações. É só imaginar e mandar ver. Vi que você colocou duas edições de seleções. Com esse título, realmente, fica difícil sair pesquisando possíveis revistas onde ela foi publicada originalmente. Acabei de postar a parte 2 do Almanaque Temático do Chico e percebi essa dificuldade na hora de pesquisar também.

    Os traços são muito bons.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, não precisa ficar se preocupando com detalhes que não vai acrescentar nada, só ficar na imaginação e entrar no clima da história.

      Tem muitas histórias com o mesmo título e ai se não tem roteiro fica difícil saber qual edição foi publicada no Guia dos Quadrinhos, por exemplo. As do Astronauta praticamente impossível procurar por nome, porque só vinham "Astronauta" ou "O Astronauta" no título.

      Excluir
    2. Em relação à edição onde essa história foi publicada originalmente, além do ano, 1983, o ponto máximo a que podemos chegar, por dedução, é que ela saiu num gibi da Mônica ou do Cebolinha desse ano, como é de costume até hoje apenas nesses títulos de gibis mensais saírem histórias solo do Astronauta. Para ele aparecer num gibi do Cascão ou do Chico Bento, os quais já existiam em tal ano, só se fosse por acaso, coisa de um, dois quadrinhos... no máximo uma página, dentro de uma história do próprio dono do gibi ou de outro personagem secundário.

      Excluir
    3. Verdade, em gibis do Cascão e Chico não tinhamhistórias dele, no máximo participação especial de outros personagens. Tipo, na Abril teve história do Bidu com participação do Astronauta.

      De certo é que essa história é de Mônica nº 153 a 164 e Cebolinha nº 133 a 144. Não pode guiar nas edições de fevereiro porque tinham histórias de baile a fantasia no ano todo.

      Excluir
    4. Só sei que houve uma exceção a essa tendência de o Astronauta aparecer só nos gibis da Mônica e do Cebolinha. Não me lembro agora do número da edição, nem do título da história, mas o Astronauta já contracenou com o Chico Bento numa história de abertura do gibi dele, da Globo. Começa com o Chico chegando ao campinho, junto a um tronco de árvore deitado, onde ele tinha marcado encontro com a Rosinha. Ele se senta, espera um pouco e, como ela demora, ele cai no sono e desmaia atrás do tronco. Depois chega a Rosinha, ela se senta no tronco, espera o Chico e, como ele não aparece, ela vai embora. Em seguida o Chico acorda e, olhando pra todos os lados, fica bravo porque a Rosinha ainda não apareceu. Então, ele vai até a casa da Rosinha e pergunta à mãe da menina se ela está lá. A mãe responde que a Rosinha saiu com o "namoradinho" dela, deixando o Chico indignado - afinal, o namoradinho da Rosinha é ele mesmo. Quando volta ao campinho, no mesmo local do encontro, vê a Rosinha sentada no tronco conversando com outro menino, identificado apenas como "o filho do farmacêutico". Assim, o Chico fica chateado, dizendo que o mundo acabou pra ele e... num jogo de metalinguagem, a força da expressão se concretiza: O chão se abre sob os pés dele, as paisagens somem e tudo fica escuro. Sem usar foguete e apenas com sua roupa tradicional, sem explicação lógica, o caipirinha vai parar no espaço sideral e fica flutuando em pé no vácuo. Aparece o Astronauta com sua nave, para perto do Chico e lhe pergunta onde fica o planeta Terra. Chico diz não saber de nada, pois, pra ele, o mundo "morreu"... e caminha normalmente pelo espaço, flutuando, deixando o Astronauta sozinho. Em seguida, aparece a Rosinha, também flutuando no espaço, zangada com ele e lhe cobrando uma explicação por ter faltado ao encontro. Ele diz que ela é quem lhe deve uma explicação, os dois discutem, dizendo que um ficou um tempão esperando pelo outro, e Chico confirma que a flagrou com o filho do farmacêutico, pensando que era traição. A Rosinha explica o motivo da conversa dela com esse menino e o Chico, envergonhado, lhe pede desculpa. A Rosinha aceita, com a condição de que o Chico esqueça tudo e não conte pra ninguém, e os dois se dão as mãos, fazendo as pazes. Nesse instante, tudo volta ao normal, eles estão novamente em terra firme, com todas as paisagens e animais ao redor e o dia ensolarado. Quando eles vão embora de mãos dadas, felizes, o Astronauta desce à Terra com sua nave e finca uma bandeira no centro do campinho, onde está escrito FIM dentro de um coração. Sem querer, parece que o Astronauta fez o papel de "Cupido Espacial", selando indiretamente a reconciliação do Chico com a Rosinha!

      Excluir
    5. Conheço essa. Foi a história "O mundo acabou pra mim", abertura de Chico bento Nº 79 , de 1990. Astronauta fez participações em histórias dos gibis do Chico Bento e Cascão, mas nunca teve histórias solo nos gibis deles na fase quinzenal.

      Excluir
  5. Muito boa. Adoro esse tipo de história em que os personagens são confundidos com outros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, sem pre rendiam boas histórias assim um confundindo com outro, Normalmente eram histórias com sósias, alguém parecido com eles. Gostava bastante.

      Excluir
  6. Até hoje não sei qual o nome d'O Astronauta!Até os pais dele o chamam assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que o nome dele é Astronauta mesmo rs.

      Excluir
  7. Marcos, se você puder me ajude a encontrar onde foi publicada aquela historia da Monica e do Cebolinha em que eles vão a um estudio de radio ou tv não me lembro e cantam a música Romaria (Sou caipira pirapora nossa...) e os elementos da música são apresentados como o laço, a gibeira, o pó, o jiló, etc e no fim da historia aparece um trem, gostaria muito de comprar a revista onde saiu esta historia em algum sebo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece ser da Editora Abril dos anosa 70, mas não lembro qual a edição. Se eu lembrar, aviso.

      Excluir
    2. Foi dos anos 70. Mais pro final. Inclusive ela já foi republicada uma vez. Mas não me lembro o título e nem detalhes. Mas a canção marcou.

      Excluir
  8. Ate hoje quero descobrir quem é o autor desse traço rsrsrs sempre o admirei nas histórias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, traços excelentes. Não sei quem era.

      Excluir
  9. Marcos e Fabiano Caldeira será que tem como descobrir em qual edição a historia saiu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim por alto difícil saber. Pode ser que consiga no Guia dos Quadrinhos ou no site do Paulo Back, mas teria que saber nome da história. Se eu souber de algo eu comento aqui.

      Excluir
    2. Assim por alto difícil saber. Pode ser que consiga no Guia dos Quadrinhos ou no site do Paulo Back, mas teria que saber nome da história. Se eu souber de algo eu comento aqui.

      Excluir